10/05/2023 às 14h32min - Atualizada em 11/05/2023 às 00h00min

Programa de PLDFT deve contar com base sólida de dados centralizada no cliente

SALA DA NOTÍCIA Leticia Lacevicius Maia
https://www.ey.com/pt_br/agencia-ey

A recomendação faz parte de estudo da EY sobre Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo, que entrevistou 53 instituições financeiras e seguradoras

Para que um programa de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo seja bem-sucedido, as empresas devem observar quatro aspectos principais relacionados abaixo, como manutenção de uma base sólida de dados. Essa conclusão faz parte de estudo da EY sobre maturidade dos programas de PLDFT (Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo), que contou com a participação de 53 instituições dos mercados financeiro e de seguradora. Dessas, 41 atuam somente no Brasil, representando 77% da amostra – o restante (23%) reúne instituições atuantes nos demais países da América Latina.

1) Base sólida de dados

A recomendação é contar com um líder de dados, responsável na instituição financeira pelos dados globais, com uma visão centralizada no cliente, o que garante o bom funcionamento e escopo do programa de PLDFT, independentemente do tamanho da organização. O líder de dados garantirá que os dados sejam vistos como centrais em toda a instituição e que estejam alinhados aos objetivos do negócio.

2) Ecossistema e iniciativa

Os ecossistemas de prevenção a crimes financeiros precisam responder às inovações tecnológicas e mudanças regulatórias que ocorrem frequentemente. Para isso, muitas vezes, há necessidade de parcerias de dados com provedores externos. Nesse cenário, hubs de serviços compartilhados, fintechs e regtechs desempenham papel importante, com as instituições precisando estar abertas a abraçar essa disrupção para ganhar valor e melhorar a prevenção de crimes financeiros.

3) Capacidade e criação de valor

Um líder visionário promoverá a inovação e melhorará continuamente os recursos de gerenciamento de dados, por meio de análises para aumentar o compartilhamento de informações, colaboração, compliance e segurança. O uso de tecnologias diferentes, como Inteligência Artificial, ajudará a empresa a lidar com o grande volume e variedade de dados, melhorando assim os recursos de gerenciamento de dados, o que resultará na evolução do combate ao crime financeiro.

4) Monitoramento contínuo

O setor apresenta um alto nível de dinamismo por natureza. Nesse contexto, questões relacionadas à disponibilidade e à qualidade de dados se tornam ainda mais importantes. Com os controles para prevenção e detecção desenvolvidos e implementados, a recomendação do estudo da EY é contar com uma estratégia de monitoramento contínuo para garantir que os resultados esperados continuem a ser alcançados ou para detectar a tempo possíveis falhas no processo (de dados e/ou sistêmicas), além de identificação de tendências. Aspectos como esses devem servir de gatilho para análise de impacto e tomada de ação para mitigação, remediação ou solução de problemas.

Leia aqui o estudo na íntegra.

  • Termos de uso

    O material publicado pela Agência EY pode ser reproduzido de maneira gratuita desde que sejam colocados os créditos para a Agência EY e respeitados os termos de uso. Mais informações pelo e-mail ey@fsb.com.br.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://ynovenoticias.com.br/.